Menu

O que é?

Mercado de Trabalho Inclusivo: o valor da diferença é um ciclo de encontros temáticos em torno dos desafios e dos obstáculos acrescidos que algumas pessoas enfrentam ao nível da inserção profissional.

Alinhado com os objetivos do principal eixo de atuação do projeto CLDS-3G Viana Consigo, que organiza estes encontros, assenta na promoção de estratégias facilitadoras da qualificação e integração profissional das pessoas, por forma a combater a pobreza persistente e a exclusão social.

Dirigido a empresas, instituições e outras entidades empregadoras, pretende estimular a inclusão da diversidade nos contextos laborais vianenses e facilitar a plena integração de todas as pessoas reconhecendo o trabalho não só como um fator de acesso a rendimento, mas também como elemento central da identidade dos indivíduos.

Tendo presente que as situações de discriminação resultam da interação de múltiplos fatores, nomeadamente, género, funcionalidade diversa, origem ou nacionalidade, religião ou cultura, idade, estatuto socioeconómico, entre outros, este evento procura alicerçar-se na perspetiva intersecional, no questionamento sistemático e na representatividade e participação dos grupos sub-representados no mercado de trabalho.

Mercado de Trabalho Inclusivo: o valor da diferença é composto por cinco encontros distintos, cada um dedicado a um tema específico, mas todos com uma metodologia de trabalho comum: refletir, discutir e desconstruir preconceitos e criar mecanismos locais facilitadores da (re)inserção. Realizam-se semanalmente, de acordo com a seguinte calendarização:

07 novembro 2018
Integração profissional da pessoa cigana: da discriminação à inclusão

14 novembro 2018
Doença mental e empregabilidade: diferenças (in)conciliáveis?

21 novembro 2018
Rumo ao emprego: reintegração socioprofissional após a reclusão

28 novembro 2018
O mercado de trabalho sob a lupa de género: pontos de (des)equilíbrio

03 dezembro 2018
A minha diferença faz (in)diferença? Integração laboral da pessoa funcionalmente diversa

7 Novembro 2018

Integração profissional da pessoa cigana: da discriminação à inclusão

10h30 - 12h30 | Seminário

Comunidade Cigana: Mecanismos para a Inclusão Sérgio Aires Sociólogo

O papel da educação, da formação e das competências empreendedoras na (re)construção dos percursos de vida das pessoas ciganas Nuno Teixeira Associação para o Planeamento da Família - APF Biquinha

Ninguém dá trabalho aos ciganos! Isabel Teresa Pereira Universidade Aberta / IEFP

A educação e a integração profissional de mulheres ciganas Élia Maia Estudante

14h00 - 17h00 | Atelier de (Des)construção

Comunidades ciganas: conhecer para (bem)intervir

Dinamizador/a Sérgio Aires Sociólogo

Inscrições 7 Novembro 2018

14 Novembro 2018

Doença mental e empregabilidade: diferenças (in)conciliáveis?

10h30 - 12h30 | Seminário

Doença mental e trabalho: contornos de uma relação complexa Raquel Almeida Escola Superior de Saúde do Porto / Laboratório de Reabilitação Psicossocial

Factos e números: os custos da doença mental e o retorno do investimento na saúde Teresa Espassandim Ordem dos Psicólogos Portugueses

Saúde, felicidade e produtividade: boas práticas empresariais Hubel Verde - Engenharia Agronómica, S.A. | BMVIV - Soluções Globais de Engenharia | BorgWarner

Moderador/a Alda AlvesAutoridade para as Condições de Trabalho - Centro Local do Alto Minho

14h00 - 17h00 | Atelier de (Des)construção

Organizações mentalmente saudáveis

Dinamizador/a Natália Costa ENCONTRAR+SE

Inscrições 14 Novembro 2018

21 Novembro 2018

Rumo ao emprego: reintegração socioprofissional após a reclusão

10h30 - 12h30 | Seminário

O sistema prisional e as empresas: mecanismos e potencialidades de cooperação Duarte Fonseca APAC Portugal

Ópera na Prisão: a arte no desenvolvimento de competências socioprofissionais Paulo Lameiro Sociedade Artística Musical dos Pousos (Leiria)

As empresas e o sistema prisional: oportunidades, desafios e responsabilidade social Izilda GarciaMISCI
Ana BadaloTecnidelta
Patrícia FerreiraÉrius

Dinâmicas locais na reconstrução da identidade profissional Sandra Ferreirinha Estabelecimento Prisional de Viana do Castelo

Moderador/a Miguel FernandesGabinete Atendimento à Família

14h00 - 17h00 | Atelier de (Des)construção

O sistema prisional e as empresas: mecanismos e potencialidades de cooperação

Dinamizador/a Humanizar o sistema prisional: a experiência da APAC em Portugal Duarte Fonseca APAC Portugal

Inscrições 21 Novembro 2018

28 Novembro 2018

O mercado de trabalho sob a lupa de género: pontos de (des)equilíbrio

10h30 - 12h30 | Seminário

Igualdade de género: fator de vantagem competitiva nas PME Virgínia FerreiraCentro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra

Masculinidades cuidadoras: desafios à conciliação trabalho-família Manuel AlbanoComissão para a Cidadania e Igualdade de Género

Diversidade de género: os locais de trabalho são espaços seguros? Madalena Roseta IBM / Líder Grupo EAGLE na área geográfica SPGI

Territórios: fator de exclusão ou de oportunidade? Emprego feminino e sustentabilidade oceânica na Galiza Mari Álvarez Lires Proxecto sustentabilidade en feminino

Moderador/a Aline FlorJornal Público

14h00 - 17h00 | Atelier de (Des)construção

A sua empresa é inclusiva? Ferramentas de diagnóstico e implementação da perspetiva de género nas organizações.

Dinamizador/a Virgínia FerreiraCentro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra

Inscrições 28 Novembro 2018

3 Dezembro 2018

A minha diferença faz (in)diferença? Integração laboral da pessoa funcionalmente diversa

17h00 - 18h00 | Seminário

Mercado de trabalho e deficiência: as representações das entidades empregadoras Soraia Santos APPACDM Porto

Proteção legal na deficiência e incapacidade, apoio técnico e incentivos financeiros às organizações Centro de Emprego e Formação Profissional de Viana do Castelo

Ferramentas para a inclusão: Plataforma Missão Emprego para Tod@s Sara Paiva Escola Inclusiva – Escola Superior de Tecnologia e Gestão – IPVC

Moderador/a Sofia Marques Associação Aliança de Negócios

18h00 – 19h00 | Mesa Redonda

Do particular ao geral: replicar boas práticas empresariais locais

Alexandra Costa Responsável de Recursos Humanos Aromáticas Vivas

Rui OliveiraColaborador Aromáticas Vivas

Eugénio CoelhoColaborador Aromáticas Vivas

Eduarda OliveiraFormadora Despertar

Centro de Recursos APPACDM Viana do Castelo

Dinamizador/a Patrícia LabandeiroDespertar

19h00 – 19h15 | Encerramento

CLDS-3G Viana Consigo

Gabinete de Atendimento à Família

Câmara Municipal Viana do Castelo

19h45 - 22h00 | Jantar networking

Momento de contactos informais dirigido a empresas que pretendam estreitar relações com instituições locais, no sentido de adotar práticas organizacionais mais inclusivas.

Inscrições 3 Dezembro 2018

Agradecimentos

Raquel Almeida

Raquel Simões de Almeida, Licenciada em Terapia Ocupacional pela ESS-PP, Mestre em temas de Reabilitação Psicossocial e Saúde Mental e Doutorada em Psicologia pela FPCE-UP. Investigadora no Laboratório de Reabilitação Psicossocial na área da Esquizofrenia, Bem-estar e Inclusão Social. Terapeuta ocupacional na Associação Nova Aurora e coordenadora de projetos nacionais e internacionais na área da Empregabilidade, Artes e Desporto. Prof. Adjunta convidada na ESS-PP.

Natália Costa

Natália Costa concluiu, em 2006, a licenciatura em Psicologia na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto (FPCEUP) e, em 2010, o mestrado em reabilitação psicossocial (especialização em doença mental grave) na Faculdade de Educação e Psicologia da Universidade Católica Portuguesa. Em 2016, concluiu a formação em terapia familiar e sistémica, sendo terapeuta familiar e de casal pela Sociedade Portuguesa de Terapia Familiar (delegação norte). Tendo trabalhado na FPCEUP como bolseira de investigação científica (com bolsa da FCT), exerce neste momento a sua atividade profissional na ENCONTRAR+SE - Associação para a Promoção da Saúde Mental.

Paulo Lameiro

Musicólogo, pedagogo, comunicador e criativo português natural de Leiria. Depois de uma breve carreira como Barítono, tendo cantado a solo e integrado o Coro do Teatro Nacional de São Carlos em Lisboa, dedicou-se ao ensino e assumiu a direção de várias escolas de música, nomeadamente o Conservatório Nacional de Lisboa, o Orfeão de Leiria e a Escola de Artes SAMP em Pousos. É especialmente a partir desta sua aldeia natal que desenvolve, desde 1992, projectos de educação e produção artística para a primeira infância, de que se destacam Berço das Artes, Músicos de Fraldas, Concertos para Bebés e Pinhal das Artes. Tem vindo a interessar-se mais recentemente pelas práticas artísticas com a comunidade, de que sobressaem projectos como Ópera na Prisão, com reclusos, Novas Primaveras para pessoas idosas, ou Il Trovatore ou os Roma do Lis com comunidades de etnia cigana. Foi membro fundador, e integrou o primeiro Conselho Científico, do Instituto de Etnomusicologia da Universidade Nova de Lisboa – FCSH, tendo publicado como etnomusicólogo em várias revistas da especialidade. Integrou ainda a Comissão de Liturgia e Música Sacra da Diocese de Leiria-Fátima, e foi o fundador e maestro titular durante 12 anos da Schola Cantorum Pastorinhos de Fátima.
É pai do Simão e da Natércia, e tem como passatempo a criação de carpas KOI para quem gosta de olhar demoradamente.

1993 – Galhardão do Município de Leiria.

1998 – Eleito Profissional de Mérito do Ano pelo Rotary Club de Leiria.

1998 e 2017 – Prémio “Afonso Lopes Vieira” do Jornal Semanário Região de Leiria.

1999 – Eleito o Profissional de maior relevo no domínio da Cultura pela Rádio Clube de Leiria.

2013 – Prémio YEAH! – Innovation.

Como Director Artístico Musicalmente.
2014 – Prémio “Afonso Lopes Vieira”.

Como Director Artístico Musicalmente.
2016 – Prémio ACESSO CULTURA.

Como Director Artístico SAMP.
2017 – Prémio COESÂO Fundação Calouste Gulbenkian.

Como Director Artístico SAMP.

2018 – Prémio de Boas Práticas de Envelhecimento Ativo – Categoria Vida + Ageing@Coimbra.
Como Director Artístico SAMP.

Madalena Roseta

Gestora de Projectos Sénior PMP® com vasta experiência em coordenação de projectos nomeadamente nas áreas de telecomunicações e banca.
Encontra-se na IBM Portugal desde 2007 com responsabilidades de liderança de equipas de Gestores de Projectos e também na componente de integração de jovens profissionais na área de Serviços (programa de graduates).
Participa e coordena grupos e eventos relacionados com a diversidade no local de trabalho nas suas várias componentes (diversidade de género, LGBT+, pessoas com deficiência).

Sofia Marques

Sofia Ribeiro Marques nasceu há 38 anos na cidade que é Princesa do Lima (Viana do Castelo).
Advogada por vocação, licenciou-se em 2003 pela Universidade do Minho onde voltou em 2012 para se enriquecer com Mestrado em Direito dos Contratos e das Empresas.
A exercer Advocacia há 12 anos na cidade que a viu nascer e de que orgulhosamente tem chieira, não se limita à atividade e profissão que abraçou e abraça com convicção e paixão. Gosta de desafios e de se envolver de forma proactiva em projetos em que acredita, particularizando a Associação Aliança de Negócios (de que é co-fundadora), projeto de cariz fortemente empresarial mas com uma vincada consciência social.

Soraia Santos

Soraia Santos é natural do Porto, licenciada em Gestão de Empresas pelo Instituto Superior da Maia e mestre em Economia e Gestão de Recursos Humanos pela Faculdade de Economia da Universidade do Porto. Iniciou o seu percurso profissional no Instituto de Emprego e Formação Profissional, como Técnica de Gestão de Projetos, prestando igualmente apoio a outras áreas. Consolidou a sua experiência como Técnica de Recursos Humanos na Metro do Porto, SA onde desempenhou todas as tarefas inerentes à sua função. Atualmente exerce funções como Técnica Superior no Centro de Apoio à Vida Independente da Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental do Porto, onde desenvolve funções nas áreas de gestão financeira e recursos humanos.
A sua defesa em prol da área da deficiência tem sido uma constante ao longo da sua vida, razão pela qual decidiu realizar a sua tese de mestrado subjacente ao tema: "A Discriminação na Integração das Pessoas com Deficiência no Mercado de Trabalho". É ativista e membro do Centro de Vida Independente, lutando pela igualdade e melhoria de vida das pessoas com deficiência em Portugal.

Sara Paiva

Sara Paiva é docente da Escola Superior de Tecnologia e Gestão desde 2005, onde colabora na área de informática, estando neste momento focada em projetos relacionados com a responsabilidade social. Coordena o desenvolvimento da aplicação INCLUSO, em parceria com a delegação de Viana do Castelo da ACAPO, que pretende melhorar a mobilidade de pessoas cegas e amblíopes no Centro Histórico de Viana do Castelo. Este trabalho foi vencedor da última edição da Academia GRACE. Coordena o Projeto Escola Inclusiva, que colabora com inúmeras instituições da região na resolução de problemas sociais, e que venceu o Prémio Voluntariado Universitário Santander Totta em 2017, na vertente Comunidade. É coordenadora do recém-criado Centro de Investigação Aplicada para a Transformação Digital do IPVC e tem trabalhado em algumas candidaturas ao Programa Inovação Social. É também editora de livros de artigos científicos sobre temáticas que visam aliar a tecnologia à inclusão social.

Eduarda Oliveira

Eduarda C. Oliveira, Licenciada em Eng. Agrária com mestrado em Qualidade e Segurança Alimentar. Consultora na fileira agroalimentar e formadora desde 2008. Enquanto formadora, nos últimos anos, trabalha na Qualificação de Pessoas com Deficiência ou Incapacidade, com vista à integração e inclusão social. Neste âmbito, entre outros projetos, foi ainda coordenadora regional do Projeto Equal Vamos Utopiar: Vozes que se levantam pela Diversidade, promovido pela AGP, ACIME e Graal. Considera que todos somos agentes impulsionadores para uma sociedade mais aberta, mais participativa e igualitária.

Teresa Espassandim

O seu percurso profissional tem incidido na intervenção com adultos e jovens-adultos em contexto de ensino superior onde coordenou o serviço de apoio ao estudante do ISEP. Exerce também como Psicóloga Clínica e Psicoterapeuta e como Formadora na área comportamental. Enquanto membro da Direcção da OPP, é responsável pela gestão de projectos na área da empregabilidade como o Espaço OPP Desenvolvimento Profissional, o EUROPSY, a Academia OPP, entre outros.

Sandra José de Freitas Ferreirinha

Nascida em 13.10.1970, na cidade de Mirandela. Licenciada em Direito pela Universidade Lusíada do Porto e Pós Graduada em Estudos Penitenciários pela Universidade Católica de Lisboa. No ano 2000 iniciei carreira como Jurista no Estabelecimento Prisional de Paços de Ferreira. De 2001 a 2009 exerci funções de Inspetora, no Serviço de Auditoria e Inspeção, da Direção Geral de Reinserção e Serviços Prisionais, nas Delegações Norte e Centro. De 2009 a 2011 estive em comissão de serviço, no Estabelecimento Prisional de Vila Real, como Adjunta e Substituta da Diretora . De 2011 a 2013 estive em comissão de serviço, no Estabelecimento Prisional de Braga, como Adjunta e Substituta da Diretora. De 2013 e até à presente data em comissão de serviço, como Diretora, do Estabelecimento Prisional de Viana do Castelo.

Alexandra Costa

Responsável pelo departamento de Recursos Humanos da Aromáticas Vivas desde agosto de 2017.
Em fase de conclusão de Mestrado em Gestão das Organizações pela Escola Superior de Tecnologia e Gestão do Instituto Politécnico de Viana do Castelo.
Curso de Especialização Tecnológica em Gestão e Produção de Cozinha pela Escola de Hotelaria e Turismo de Viana do Castelo.
Licenciada em Comunicação Social pelo Instituto Superior de Línguas e Administração de Vila Nova de Gaia.
Percurso profissional na área do jornalismo, da hotelaria e da formação profissional de jovens e adultos.

Élia Maia

Élia Maia nasceu a 28 de maio de 1991, em Matosinhos. É a mais velha de três irmãs e, atualmente, vive com elas e com os pais no Conjunto Habitacional da Biquinha. No local onde vive, habitam muitas pessoas ciganas, sendo que muitas delas são da família da Élia. Élia entrou para a escola primária com seis anos de idade. No segundo período do 5º ano acabou por abandonar a escola. Apesar de tudo, Élia nunca desistiu do seu sonho e com muito “iniciativa e determinação” conseguiu matricular-se num curso que lhe deu equivalência ao 9º ano de escolaridade. Continua determinada a estudar e, neste momento, está a frequentar um curso que lhe permitirá completar o 12º ano de escolaridade. Contudo, Élia não pretende ficar por aqui e continua empenhada em ir para a Faculdade e tirar um curso superior.

Nuno Teixeira

Nuno Teixeira tem 43 anos. Nasceu em Matosinhos onde reside. É Psicólogo especialista nas áreas de Psicologia do Trabalho, Social e das Organizações e Psicologia Clínica e Saúde.
É formador certificado nas áreas de Educação para a Saúde e Práticas de Educação para a Saúde (Educação Sexual)
Trabalha da Associação para o Planeamento da Família (APF) desde 2005 sendo coordenador da Delegação Regional do Norte e coordenador/psicólogo de vários projetos de intervenção social:
“100 Preconceito”, “ECOS”, “APF - Matosinhos”, “Roma”, “Cursos de Formação dirigidos a Profissionais de Enfermagem na área da Igualdade de Género”, “XIS”, “VIHQUINHA”, “Aprender para Educar”, “Aprender a ter saúde”, “Espaço Pessoa”. Coautor em vários estudos e artigos. Psicólogo clínico na Clinica de Leça da Palmeira desde 2001. Dinamizador da Comissão Social de Freguesia de Matosinhos entre 2001 e 2005. Responsável pela Unidade de Inserção na Vida Activa (UNIVA) da Junta de Freguesia de Matosinhos entre 2001 e 2005. Entre 2001 e 2012 foi Criador do Departamento de Psicologia do Leixões Sport Club e Coordenador/ Responsável pedagógico da Casa do Atleta.

Duarte Fonseca

Duarte é o Presidente da direção da APAC Portugal (Associação de Proteção e Apoio ao Condenado). Os pincipais focos do Duarte são garantir o impacto da Associação no que toca à reinserção social de pessoas reclusas ou que estiveram reclusas e das suas famílias. Para isso, tem dedicado os últimos anos a desenvolver a equipa de voluntários da associação (mais de 30 atualmente), desenvolver programas de desenvolvimento humano e de treino de competências sociais em contexto prisional bem como o estabelecimento de parcerias com empresas que permitam a reintegração social de pessoas que estiveram reclusas. Ao mesmo tempo a APAC Portugal tem um segundo grande foco na comunicação para dar a conhecer o sistema prisional e com isso combater o estigma associado ao selo de "ex-recluso".
Em paralelo, o Duarte é Coordenador de Estratégia e Desenvolvimento da IPSS Just a Change que reabilita casas de pessoas carenciadas com Voluntários. Tendo já tido impacto direto em mais de 1500 pessoas.
Antes de estar ligado ao terceiro setor o Duarte trabalhou um ano como Terapeuta Ocupacional no Estabelecimento Prisional Especial de Santa Cruz do Bispo e 4 anos como consultor de inovação e tecnologia na Beta-i.

Maria Alvarez Lires

Licenciada en C. Químicas pola Universidade de Santiago de Compostela, Doutora en Química pola Universidade de Vigo, Posgrao en Responsables para Formación en Coeducación pola Universidade de Barcelona.
Foi Catedrática de Física e Química de Ensino Secundario.
Foi Directora do Centro de Formación e Recursos de Pontevedra (Xunta de Galicia).
Foi Coordinadora para Galicia do Programa TENET de Formación do Profesorado en Coeducación da Unión Europea. e Codirectora do Programa Interuniversitario de Doutoramento en Historia das Ciencias e das Técnicas (UVIGO e USC).
Formou parte da Comisión de Educación e Promoción Científica da Unidade Muller e Ciencia da Xunta de Galicia.
Actualmente é Profesora de Didáctica das Ciencias Experimentais da Facultade de Ciencias da Educación e do Deporte de Pontevedra, codirectora do Grupo de Investigación CIES da UVIGO e vicepresidenta do Seminario Interdisiciplinario de Estudos de Xénero da UVIGO
Imparte docencia en diversos master e posgraos de Políticas de Igualdade e de Formación do Profesorado de Educación Infantil Primaria e Secundaria.
Forma parte da Sección Ciencia, Natureza e Sociedade do Consello da Cultura Galega
As súas liñas de investigación son: ciencia, tecnoloxía e xénero, formación do profesorado, didáctica e historia das ciencias; educación e xénero; mulleres e TIC, mulleres e poder; sustentabilidade e xénero e as mulleres do mar. Actualmente, investiga tamén en Violencia contra a infancia e a adolescencia con perspectiva de xénero.
Recibiu un Premio Nacional en Investigación-Innovación Educativa MEC-CIDE, dous Premios Educación y Sociedad MEC-CIDE e un de Innovación Educativa, Xunta de Galicia, sempre sobre a temática de xénero, ciencia e educación.
Premio UVIGUALA da Universidade de Vigo, 2017
Entre as súas publicacións pódense citar:
• “¿La tecnociencia al servicio de la igualdad?” Congreso Internacional SARE Innovación para la igualdad en la innovación. EMAKUNDE. San Sebastián, 2010
• Tecnociencia, desarrollo, y género: factores psicosociales y educativos que influyen en la elección de estudios de ingeniería. UNESCO. Buenos Aires, 2013.
• “Educación, tecnociencia, xénero e desenvolvemento sostible”. III Xornada Universitaria Galega en Xénero, UVIGO; USC: UdC, Vigo, 2015
• “Educación para la Sustentabilidad: Cambio Global y Acidificación Oceánica”. Formación Universitaria Vol. 10 Nº 2 – 2017

Sérgio Aires

Sérgio Aires (49 anos). Licenciado em Sociologia pela Universidade do Porto (1994).
Consultor e perito nas áreas da pobreza, exclusão e políticas sociais.
Entre 1994 e 1998 integrou o gabinete de investigação da EAPN Portugal / Rede Europeia Anti-Pobreza, organização de quem viria a ser o coordenador nacional entre 1998 e 2006. Desde 2006 trabalha como consultor independente. Enquanto tal, tem desempenhado as seguintes funções: concepção e coordenação de vários projectos europeus de dimensão nacional e transnacional; consultor de autarquias para implementação de Observatórios sociais; consultor internacional, com intervenções em Espanha, Itália e Brasil; consultor de várias organizações de Economia Social portuguesas no âmbito da qualificação organizacional, particularmente nas áreas de gestão estratégica, gestão da inovação; gestão de marketing e comunicação, gestão de recursos humanos, gestão de parcerias e trabalho em rede, gestão financeira e angariação de fundos. Contemporaneamente, e entre Novembro de 2006 e Setembro de 2018, exerceu as funções de Director do Observatório de luta contra a Pobreza na cidade de Lisboa, uma iniciativa da EAPN Portugal / Rede Europeia Anti-Pobreza.
Enquanto voluntário, exerce ainda actualmente, e entre outras, as funções de Delegado Português no Comité Executivo da European Anti-Poverty Network (EAPN); Presidente da Assembleia-Geral da Associação Slow Movement Portugal, Vogal do Centro Social e Paroquial de São Nicolau (Porto) e Vice-Presidente da Associação Gentopia - Associação para a Diversidade e Igualdade de Género.

Isabel Teresa Pereira

Isabel Pereira, 47 anos.
Trabalha no IEFP, Serviço de Emprego de São João da Madeira desde 13-04-1992 (26 anos), e na qualidade de Técnica Superiora desde Julho de 2015.
Licenciada em Ciências Sociais pela Universidade Aberta desde 2013. Mestre em Relações Internacionais desde 2016 pela mesma Universidade.
Realizou dissertação de mestrado sobre o tema “Ninguém dá trabalho aos ciganos!: estudo qualitativo sobre a (des)integração dos ciganos no mercado formal de emprego”.
Participou em vários projetos relacionados com a comunidade cigana, nomeadamente:
- Congresso Espanhol de Sociologia em 2016 – Gijón: Pereira, Isabel & Olga Magano (2016). “Nobody gives employment to Gypsies”: (dis)integration of Gypsies in formal labor market”, Congreso Espanol de Sociología, Gijón;
- Reunião Anual e Conferência da Gypsy Lore Society sobre Estudos Ciganos em 2018;
Em 2018, concluiu o Curso de Formação Avançada em Gerontologia pela Universidade Aberta.
Atualmente é representante do IEFP, IP, na Comissão de proteção de Crianças e Jovens em Risco de Arouca, desde 24-04-2018.

Tecnidelta

A TECNIDELTA – Equipamentos Hoteleiros, Lda, é uma empresa de referência que prima pela qualidade dos produtos e pelo profissionalismo dos serviços, no âmbito da sua missão e objetivos procura criar negócios socialmente responsáveis.
Assumindo um papel preponderante desde 2008, com a DGRSP no desenvolvimento de capacidades e competências da população prisional, preparando-os para o exercício de uma atividade laboral após a libertação, estando presente em diversos estabelecimentos prisionais.