Inicio>Notícias>Dia Municipal para a Igualdade 2017

Dia Municipal para a Igualdade 2017

24-10-2017 09:14


O GAF, em particular o Projecto Doequ@l associa-se hoje às comemorações do Dia Municipal para a Igualdade, um dia para lembrar que a violência e as desigualdades de género persistem na nossa, e em outras sociedades, fazendo vítimas crianças, mulheres e homens em todo o mundo.

Portugal ocupa o 21º lugar no ranking da UE-28 sobre igualdade de género.

 

Propomos uma viagem pelo mundo à procura de resposta para esta simples questão: em pleno século XXI, fará diferença nascer menino ou menina, neste nosso planeta?

Vamos até ao outro lado do mundo, como estamos de violência contra a Mulher, na Austrália?
Neste país uma em cada seis mulheres são alvo de violência física ou sexual extrema por parte do parceiro, pelo menos uma vez na vida. Em 2015, o primeiro-ministro referia: “a violência contra as mulheres é uma das grandes vergonhas da Austrália”.

Mudemos de rota até aos E.U.A, certamente o cenário será diferente!
O número de soldados mortos no Afeganistão e no Iraque entre 2001 e 2012 foi de 6.488. O número de mulheres americanas que foram assassinadas por ex ou parceiros actuais do sexo masculino, durante esse tempo, foi de 11.766. Ou seja, quase o dobro das vítimas perdidas durante a guerra.

Talvez na América Latina seja diferente, ou então não!
Em 2014 foram assassinadas 1.678 mulheres por razões de género em 17 países da América Latina e do Caribe.
Depressa, para a Rússia nesta potência mundial estaremos melhor!

De acordo com as Nações Unidas (2010), cerca de 14 mil mulheres são mortas pelos maridos ou familiares todos os anos. Putin promulgou uma lei em que a violência doméstica já não é crime. Só se existirem ferimentos graves, que obriguem a vítima a recorrer ao hospital ou faltar ao trabalho, ou se as agressões forem continuadas é que a violência é considerada crime.

Pensemos em África e tenhamos esperança que por aqui será mais seguro ser Mulher!
Este continente está no topo da lista no que respeita à violência de género contra a Mulher, sendo que a OMS apurou, que em 2013, cerca de 37% das mulheres foram vítimas de abuso físico ou sexual por um parceiro íntimo.
A África do Sul é a capital do estupro no mundo. Estima-se que a cada 27 segundos uma mulher é abusada sexualmente na África do Sul. Uma menina nascida neste país tem maior probabilidade de ser violentada sexualmente do que aprender a ler.

Precisamos de confirmar que no velho continente a realidade é muito melhor!
Mas não! Um estudo de 2014, publicado pela Agência Europeia para os Direitos Fundamentais conclui que 33% das inquiridas afirmaram que já foram vítimas de violência física e/ou sexual. 23% Afirmaram que o autor dessa violência sexual e/ou física foi o parceiro íntimo.
A Violência Doméstica mata cinco mulheres por hora diariamente em todo o mundo (Action Aid – ONG).

Vamos IGNORAR esta viagem? Vamos continuar com a lengalenga que igualdade é coisa de feministas? São opções!
Mas talvez seja a hora de deixarmos de pensar em homens e mulheres naquilo que nos distingue, nas questões neurobiológicas e sociais, nas diferentes teses e confabulações.

Homens e mulheres, meninos e meninas. Diferentes no sexo IGUAIS em direitos.
IGUALDADE de GÉNERO é uma questão de DIREITOS HUMANOS!


Para mais informações sobre a Igualdade de Género, aceda a https://www.cig.gov.pt/documentacao-de-referencia/doc/cidadania-e-igualdade-de-genero/igualdade-de-genero-em-portugal/

Voltar à página de Notícias